Coffee Talk – Review

Em um mundo onde Elfos abrem Startups, Anões tem montadoras de automóveis e Vampiros e Lobisomens coexistem, há uma cafeteria que fica aberta a noite. Esse é o cenário introdutório de Coffee Talk, jogo visual-novel da Toge Productions, lançado no inicio de 2020.

Nesse jogo, você é o Barista, dono da cafeteria que dá nome ao jogo, e deve atender os mais variados clientes ao longo de 14 dias. Criaturas fantásticas como Freya: uma fada jornalista que está escrevendo um livro, ou Mirtle: uma Orc desenvolvedora de jogos. Essa é a única cafeteria que fica aberta nas noites de Seattle e com isso seus clientes buscam nesse local um refúgio para os problemas do dia-a-dia. Do balcão você pode ouvir suas histórias, criar laços e servir suas bebidas de acordo com o gosto dos clientes ou suas necessidades para aquela noite.

Mecânica

A mecânica do jogo é simples, você deve escolher três itens para fazer suas bebidas: 1 item base e 2 complementares. São várias as bebidas que podem ser feitas à base de café, chá, chá verde, chocolate ou leite. As bebidas básicas ficam no seu celular em um aplicativo com as receitas e a cada receita nova o app irá registrar a nova descoberta para que você possa conferir depois. Muitas dessas receitas você aprenderá com os clientes que dirão os ingredientes que desejam, mas existem algumas receitas que devem ser feitas na tentativa e erro. Em alguns dias os clientes irão pedir bebidas específicas e caso você não entregue o solicitado eles irão reagir de forma triste, o que parece bobo mas com o tempo você se apega aos personagens e quer que eles fiquem bem e continuem frequentando o local.

Além de fazer as bebidas, as que são a base de leite podem ser decoradas com Latte Art. Ele só é obrigatório em um ponto da história, mas é divertido tentar dominar essa mecânica e entregar uma bebida agradável visualmente para seus clientes.

É meio dificil de controlar o desenho de inicio.
Na galeria da Steam há diversos LatteArts incriveis

História

Além de fazer as bebidas o jogo conta com uma narrativa em visual novel e aí está o ponto alto do jogo: as histórias dos clientes. Há problemas de relacionamentos, insegurança, problemas no trabalho, problemas pessoais que vão se desenrolando aos seus olhos, e você fica imerso naquelas histórias. Os laços entre você e seus clientes vão aumentando com o desenrolar da história, o que traz uma certa satisfação em poder melhorar o dia de um personagem com a bebida correta. Além das histórias dos personagens há vários paralelos que são feitos entre esse mundo fantástico e o nosso, como o questionamento sobre o uso excessivo de plástico, racismo e até mesmo preconceito (esses dois últimos usando as diversas raças dos personagens do mundo do jogo).

Modos de Jogo

Ao terminar o modo história pela primeira vez, o jogo libera um time travel, onde você pode escolher um dia para reviver e acertar a bebida de um cliente caso tenha errado. É desbloqueado também um botão de fast-foward para acelerar os diálogos que você já viu anteriormente. Além do modo história, o jogo fornece o modo Endless com duas opções de jogo: Free Brew (onde você pode livremente testar receitas diferentes) e Challenge (onde os clientes fazem pedidos e você deve tentar acertar a maioria no limite de tempo). Além disso é possível desbloquear Artworks e quadrinhos dos personagens do jogo além das histórias escritas pela personagem jornalista Freya e podem ser lidas no aplicativo do seu celular no jogo.

Músicas / Áudio

A música do jogo são calmas e agradáveis, um tanto quanto Low-fi, as 24 faixas são feitas por Aremy Jendrew e você pode mudar as músicas no aplicativo do jogo e caso goste, pode ouvir também no Spotify. Além das musicas do player, os efeitos sonoros e som ambiente são ótimos, dando aquele murmurinho e barulho de máquinas, xícaras e vapor de uma cafeteria real e algumas vezes alterando para demonstrar raiva, tristeza ou ansiedade dos clientes.

Conclusão

Como Barista, eu fiquei impressionado com o jogo desde o cuidado ao fazer e apresentar a bebida até os ingredientes. Sabor e temperatura da bebida podem influenciar o humor de alguém, aquecem o coração ou acalmam quem precisa. Os personagens são muito bem construídos, com histórias imersivas e um design muito agradável. Falando nisso, uma ótima escolha foi a arte em PixelArt dando muitos detalhes para os personagens, maquinário e cenário, mas usando menos detalhes e realçando pixels em objetos menores do cenário como placas, anotações de pedidos e enfeites no fundo.

Com jogabilidade simples e divertida, um enredo bem construído, imersivo e um visual polido Coffee Talk garante 8h de jogo no modo história pela sua primeira vez. Talvez não seja um jogo que você irá re-jogar muito após concluir o modo história corretamente ou desbloquear o cardápio completo de bebidas, porém é um jogo que te deixa muito imerso e que te faz refletir com os paralelos levantados no jogo com uma sensação de satisfação ao finalizar as histórias.